quinta-feira, 16 de outubro de 2008

A dor do amor

Essa noite eu não consegui dormir direito lembrando de episódios doloridos que me trouxeram muita mágoa e rancor. Eu tenho uma paixão um tanto quanto platônica, já virou artigo publicado no Guia da Semana, na verdade foram dois artigos.
Lembrando desses fatos eu consegui entender o que deve passar pela cabeça de pessoas como o jovem Lindemberg que mantêm há mais de 3 dias sua ex-namorada, Eloá Silva, presa em cárcere privado. A dor da traição ou a dor da perda são dores fortes de mais. Eu, medrosa do jeito que sou, não conseguiria chegar a esse extremo, mas posso dizer que quando você vê seus sonhos amorosos escorrendo pelo ralo a sua vontade é a morte. Não quero defender o erro de ninguém, tão pouco dizer que eu faria o mesmo... Deus me livre!!!! Mas pelo menos eu penso em morrer toda a vez que lembro que perdi pessoas (foram quatro) que na minha cabeça eu não conseguiria viver sem eles. Mesmo sendo platônicos. O penúltimo eu não tinha nenhuma recordação boa além de um encarte de CD autografado, alguns e-mails e uma conversa de telefone.
Do atual tenho muitas lembranças boas, acho que até hoje foi a melhor paixonite que tive, mesmo com tanta mágoa. Sempre que lembro delas e consigo afastar o desejo de morte pra longe de mim, passo a ter vontade de mudar de Estado. Penso em ir morar no sul, penso em Curitiba (PR), qualquer lugar distante onde eu não possa provocar encontros casuais, onde não ouça as músicas, nem veja pessoas que me faça lembrar o individuo.
Mas no meu caso isso passa logo. É só mudar o foco, pensar em outra coisa. Substituir a dor da perda pela lembrança dos momentos bons e da esperança de que eles possam se repetir, com a mesma pessoa ( no meu caso sigo firme nessa esperança) ou com outra que te complete e te faça ser feliz.
Jamais pensar em matar a outra pessoa... por mais forte que seja a dor do amor a morte nunca pode ser uma saída. A saída é isso: sonhar com dias melhores. E eu sonho.
Dias melhores para todos vocês.

3 comentários:

Karla Hack disse...

Bem que faz sonhar com dias melhores... Pois eu tmb tenho a certeza de que eles virão..
Compartilho de uma situação muito parecida com a sua.. e esta dor do amor é difícil de acalmar.. de passar, de sarar.. mas com o tempo.. qdo menos esperamos.. Algo maravilhoso surge!!
Tenho fé no amanhã!

;D

bjus

yoko disse...

É isso aí, bola pra frente! Dias melhores sempre virão,se você quiser! Só depende de você! bjs

Aprendendo a Língua Japonesa

Eduardo Oliveira disse...

Pois é... quem nunca sofreu com algo parecido? a dor é forte e se não formos fortes o suficiente acabamos nos deixando dominar... o que imagino ser o caso do "sequestrador". Uma pessoa desequilibrada, um grande amor e uma ruptura, os ingredientes certos pra que aquilo acontecesse.