quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

Miss simpatia

Ontem pela manhã acompanhei pela UOL a entrevista coletiva sobre os novos investimentos do PAC (Plano de Aceleração do Crescimento) que investirá bilhões de reais em rodovias, ferrovias, habitação e etc.
No comando estava a ministra da Casa Civil Dilma Rousseff, de cara nova, mas com a personalidade antiga. Essa foi a primeira entrevista dela que eu acompanhei, deve ser por isso que estranhei o jeito rude que ela tratou a equipe que a auxiliava na transição dos slades.
Quando abriram as perguntas aos jornalistas a coisa piorou. Um amigo do jornal Valor Econômico, se não me engano, perguntou sobre como o governo pretende aumentar esses investimentos sendo que o mercado financeiro está em crise e essa atingirá o país principalmente nas indústrias. Dilma com sua voz de trovão falava com o colega como se ele tivesse a obrigação de saber o passo a passo que o governo PENSA em dar para burlar a crise.
E repetitivamente ele pergunta: Não é? Não foi isso? Não é isso? Estou certa?
Quando penso que ela chegou no maior grau que a “simpatia” de uma pessoa pode chegar entra uma jornalista da Itália perguntando sobre a relação diplomática entre Brasil e Itália por causa do “refugiado político” que se esconde no nosso país. Dilma não se compadece na profissional que veio de tão longe e diz que não vai responder.
Entra mais uma jornalista, acho que era da Isto É, e pergunta se o governo está prevendo essas metas do PAC para depois de 2010 como a ministra estava explicando então o governo iria querer alguém que substitua Lula e faça com que essas obras tenham continuidade.
A pergunta foi: a senhora quer ser essa pessoa para dar continuidade? Desconcertada a ministra fala que o governo do PT tem sim o interesse em colocar alguém para continuar as obras do PAC. A jornalista volta a perguntar: a senhora quer ser essa pessoa? Dilma diz, finalmente sorrindo – Essa resposta você não tira de mim nem amarrada!
Ao que tudo indica ela é a representante do PT que disputará as eleições presidenciais em 2010. Segundo levantamento da CNT/Sensus divulgado na terça-feira a petista aparece com 13,5% das intenções voto contra 42,8% do governador de São Paulo, José Serra (PSDB).

3 comentários:

Tiago Cervo disse...

A única diferença da ministra, foi a visual... eticamente continua a mesma. Não voto nela, e não votarei nunca, sou terminantemente contra o governo lula, e qualquer candidato indicado por ele é um mal candidato.

Grande abraço

http://ccdodia.blogspot.com/

SuSiRo disse...

Acho um absurdo a campanha que o Lula já está fazendo em prol de sua "protegida". Por que não dão esse direito de já começar a campanha aos futuros adversários também? Só porque ela é o braço direito do presidente ela tem direito de já ser promovida como candidata à presidência? Mais uma vez vemos que nem todos são iguais perante a Lei e, envolvendo política, são menos iguais ainda.
Quanto à mudança, foi mesmo só a "casca".
Beijos, amiga!
Grace

Diógenes Daniel disse...

mais uma síndica de prédio que querem fazer presidente... o pior é que essa é grosseira ainda por cima.