terça-feira, 23 de junho de 2009

E agora, pai?

Meu pai assistia ontem a manifestação dos estudantes de jornalismo em diversas cidades do país e veio me questionar sobre o que aconteceria com o meu futuro profissional.
Fiquei com receio de dizer pra ele que hoje todo o sacrifício que ele fez em me ajudar a pagar a faculdade não vale de nada.
Quero dizer, vale sim, porque a faculdade me abriu horizontes e muitas oportunidades, apesar receber menos do piso (que não existirá mais) ainda ganho 10 vezes mais do que o meu primeiro emprego em 2002 (estágio do colégio como recepcionista de uma corretora). Mas se hoje, sem a formação, eu almejasse um emprego de jornalistas me exigiriam apenas aptidão para o cargo, diploma não.
Consultei a diretoria do Sindicato dos Jornalistas do Estado de São Paulo para saber o que podemos esperar como “resultado” dessa infeliz decisão do STF, assim que for respondida colocarei aqui e espero que as respostas sejam animadoras.
Continuo discordando que para ser “jornalista” só é necessário aptidão para escrever. E apesar de aplaudir muitos blogs de não jornalistas pela qualidade do conteúdo eu sei que blog não é jornalismo. Twitter também não.



Foto do protesto dos estudantes em Brasília.

POLÍTICA NO BRASIL QUALQUER UM FAZ, JORNALISMO NÃO!

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Sopa de letrinhas – sobre o fim da obrigatoriedade do diploma

Infelizmente o STF derrubou a obrigatoriedade do diploma para exercer a profissão de jornalista. Baseado em teorias de que o jornalismo não precisa de conhecimentos técnicos o ministro Gilmar Mendes chegou a fazer uma comparação ridícula de que o jornalista precisa ter talento nato igual a um cozinheiro.
Não desfavorecendo os cozinheiros, mas escrever notícia não é igual a fazer uma sopa de letrinhas. Mais do que dom, é necessário técnicas não só de escrita como de apuração de fatos e isso se aprende na faculdade.
Pela maioria dos discursos para ser jornalista precisa apenas saber ler e escrever sendo assim obrigando a classe a ter diploma de nível superior estaria tirando o direito constitucional das outras pessoas de se manifestarem na mídia.
A não obrigatoriedade do diploma vai refletir não só na qualidade da notícia como também nessa classe de trabalhadores, na qual eu me incluo, que sofrerá no bolso a desqualificação do ofício. Fora isso, a medida do STF ainda favorece o monopólio dos meios de comunicação.
A única notícia boa para os jornalistas formados foi dada no dia de ontem pelo presidente da ANJ (Associação Nacional de Jornais), Paulo Tonet Camargo, ao Jornal Nacional: As empresas jornalísticas continuarão a contratar funcionários com diploma.

quarta-feira, 10 de junho de 2009

O Poder do Salto Alto

Essa noite sonhei que comprava sapatos de salto alto. Com estampa de oncinha e salto agulha. Talvez seja um aviso dizendo que o que eu preciso pra fazer essa tristeza fugir é fazer umas comprinhas.
Não tem nada mais animador para uma mulher com a auto-estima abalada do que subir num salto e se olhar no espelho. Na verdade o salto tem um poder muito forte não só em quem está usando como também em quem nos vê.
Li uma vez numa revista que os homens preferem os saltos às rasteirinhas. Tinha um depoimento de um cara que dizia que não acha nada sensual uma mulher de rasteira, apesar de saber que elas são muito mais confortáveis.
A gente se sente mais especial calçando um salto porque ele nos coloca acima das outras pessoas. Pela história do salto ele foi criado exatamente para isso para colocar a mulher numa posição de destaque como forma de prestigiar e agradecer a importância da superioridade feminina.
Isso é tudo que preciso agora. Me sentir bem e nas alturas. Acredito que seja esse um ótimo antídoto para a depressão: saia para experimentar sapatos. Vocês já repararam com as vitrines de calçados chamam a atenção das mulheres? Pois não perca tempo, assim que pintar uma tristezazinha corra pra uma loja e prove um saltão. Mesmo que não vá comprar, vista os dois pés, olhe no espelho, dê uma volta e veja de cima para baixo como você é importante.

Foto tirada do site: Sobre Saltos

sexta-feira, 5 de junho de 2009

Bendito seja o PhotoShop

Eu não gosto de divulgar esses emails em massa com piadas, histórias tristes ou pedidos de ajuda. Mas o email que recebi hoje foi muito engraçado e mostra como somos enganados pelos truques de imagens.








Suzana Viera mostra o corpão depois dos 50...



Hum... a maioria das mulheres de 50 anos tem um corpo assim mesmo

Essas fotos, ou melhor dizendo, o trabalho que fizeram nessas fotos gerou uma discusssão legal aqui no JP. Muitas pessoas influenciadas por toda essa "mentira" se sentem excluídas pela sociedade por não serem iguais aos artistas que aparecem na TV e nas capas das revistas.

Quantas mulheres com a idade da Suzana não gastam furtunas para tentar ser como ela. Só que ela não é lá tudo isso... O pior é que tem muitas meninas de 20 anos que estão se aventurando para ter um corpo perfeito e muitas vezes isso é prejudicial à saúde.

O que quero dizer é que a mídia constrói pessoas perfeitas e coloca na nossa cabeça que devemos ser tão perfeitos quanto e isso gera um baque na sociedade que busca uma imagem construída por mecanismos do computador.

Hoje estreia nos cinemas um filme (que parece ser legal) que fala sobre uma mulher perfeita. "A Mulher Invisível', vivida por Luana Piovani pode exemplificar bem isso: não existe pessoas perfeitas e enquanto procuramos por elas esquecemos de olhar e de cuidar de pessoas normais que nos cercam e que muitas vezes tem muito mais a nos oferecer do que uma bela imagem.

segunda-feira, 1 de junho de 2009

O que houve com os céus?

Estamos entrando no sexto mês do ano e já tivemos cinco grandes acidentes no mundo. Em apenas um não houve vítimas fatais. Durante todo o ano de 2008 houve apenas seis.
2009
31 de maio: Airbus da Air France que fazia uma viagem do Rio de Janeiro para Paris, na França, desapareceu dos monitores dos radares. Até o momento ninguém sabe o que gerou o acidente.
22 de maio: Um bimotor King Air B350 caiu em Porto Seguro – BA, matando 15 pessoas. O avião explodiu após colidir com uma árvore.
12 de fevereiro: Um avião de passageiros cai sobre uma casa em Buffalo, Estado de Nova York, matando todas as 49 pessoas a bordo e pelo menos uma pessoa no solo.
8 de fevereiro: Um avião de passageiros cai em um rio no Amazonas, causando a morte de 24 pessoas, a maioria delas da mesma família.
15 de janeiro: Um avião da US Airways, em um voo doméstico, faz um pouso forçado no rio Hudson, em Nova York. Todos os 150 passageiros e cinco tripulantes foram resgatados e ninguém morreu.