quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Assessoria para bandas

Geralmente sou procurada por bandas independentes para prestar serviço de assessoria de imprensa, o grande problema é que elas não possuem verba suficiente para bancar o serviço de comunicação sem contar que a mídia dá pouco espaço de divulgação, ou seja, mesmo se a banda tiver grana para pagar a assessoria os resultados obtidos não serão tão bons quanto os resultados para bandas já “conhecidas”.
Então resolvi dar pequenas dicas para quem quer promover sua banda sem precisar gastar muito. O que temos de mais econômico e eficiente são as mídias sociais, fiz alguns cursos sobre isso e aprendi que nos dias de hoje elas são importantíssimas para qualquer tipo de negócio.
Para ter espaço na mídia a banda precisa despertar a curiosidade dos jornalistas ou pelo evento que fará ou pela qualidade e diversidade do trabalho lançado, enfim, precisa de um fato que mereça o destaque de uma publicação, enquanto a banda não consegue atingir isso mostro quatro passos para promover o trabalho do grupo.

1-)Comece fazendo um perfil no Myspace, escreva a história da banda, coloque três ou quatro músicas do grupo e comece a promover esse espaço para que um grande número de pessoas visite e ouça o som;

2-)Gaste um tempo para fazer contato com o público alvo da banda. É banda de rock? Comece a frequentar comunidades virtuais sobre o ritmo. Mantenha contato com quem mais participa desses grupos, adicione, mostre o trabalho da banda;

3-)Faça um twitter só para banda fale dos ensaios, da criação das músicas, da gravação, das experiências dos shows... Mantenha contato com os fãs, faça perguntas, mantenha um diálogo direto com eles;

4-)Divulgue aos amigos e conhecidos os endereços do site, do myspace, do twitter, do Orkut, facebook e etc... o boca a boca ainda é a melhor forma de comunicação.

Espero ter ajudado.
Outras informações: leilianeroberta@hotmail.com

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Concorrência... ela existe

Quando terminei a faculdade continuei na empresa onde trabalhava por mais um ano e meio, talvez por isso não tenha percebido que os professores falavam sério quando diziam, desde o primeiro dia de aula, que o mercado está saturado para jornalistas. Sim, ouvi isso desde o princípio do curso e confesso que até essa semana essas palavras nunca me assustaram.
Sai da tal empresa em agosto de 2007 e em novembro consegui um freela em assessoria de imprensa que durou até o final de dezembro e em janeiro de 2008 consegui o emprego no JP onde fiquei até julho último. Sem grandes problemas até então, pois mesmo no jornal fiz freela para a produtora e também para alguns sites escrevendo artigos.
Mas desde então não consegui voltar ao mercado, quer dizer, continuei fazendo trabalhos freelancers, mas trabalho, quer dizer, emprego não consegui nada. Envio currículos quase todos os dias e são vários. Muitas retornam dizendo que entrarão em contato para marcar entrevista o que nunca acontece...
O que realmente assusta e quando você é, finalmente, chamado para a entrevista e te informam que tem dezenas de pessoas competindo por aquela vaga. E nesses sites de vagas então? A última que me candidatei (há cerca de 20 minutos) tinha mais de 200 pessoas concorrendo. Isso mesmo, du-zen-tas. É assustador.
Fico tentando imaginar o que poderia me destacar no meio de tanta gente. Chega até a desanimar, sabia... até tentei entrar para outra área, mas não tem coisa melhor do que fazer o que gosta. E eu amo o jornalismo. É tão prazeroso realizar esses trabalhos freelas, alguns demoram para pagar, já tomei muito calote, mas mesmo assim o trabalho em si é tão realizador... Eu quero um emprego!!!