quinta-feira, 29 de julho de 2010

É hora do Plano B

Andei pensando esses dias que preciso sentar e criar um plano B, e talvez um C e D. Porque muitas vezes as coisas não saem do jeito que a gente espera, isso pode ser não passar naquela faculdade top, não conseguir um estágio, demorar para conseguir um emprego na área, terminar um relacionamento longo e etc...
Eu confesso que tinha tudo arquitetado na cabeça. Como já escrevi aqui escolhi o que cursar na faculdade com 11 anos de idade. Não me arrependo. Não mesmo, mas hoje começo a pensar em fazer outro curso, me especializar em outra coisa além do jornalismo.
Hoje, não só pela profissão, sinto falta, muita falta mesmo, de não pensar em outras alternativas. E escrevo isso de peito aberto. Assumo que é um erro acreditar e alimentar somente um sonho. A vida, infelizmente, não acontece do jeito que esperamos. E a frustração é inevitável.
Mas antes de desistir de tudo, que tal dar uma reviravolta e pegar outro rumo? Na edição de março da revista Cláudia veio uma matéria muito legal sobre A Hora de se Reinventar. Esses dias procurei até achar o exemplar que tinha essa matéria para ler e reler.
Não é porque as coisas não sairam do jeito que você queria que você vai desistir de tudo, né? Se reinvente todos os dias! Durma pensando no que fazer amanhã e se, por ventura, logo cedo você perceber que não vai dar para cumprir já comece a planejar um outro plano.
Estou lendo um livro muito legal que é o bestseller Melancia. Não é livro de auto-ajuda, mas até onde li, Claire (a personagem principal) está começando a sair de uma situação muito dolorosa e que muitas mulheres tem dificudades de superar. É incrível!
Outra dica é o filme O Amor Acontece, com Jennifer Aniston e Aaron Eckhart. A grande lição desse longa é que quando uma coisa acaba, outra coisa acontece. E desde que ouvi essa frase ela tem norteado meus passos.
E como estou caminhando rumo a uma mudança (ainda que eu não saiba qual) uma amiga muito legal me mandou um pedaço de uma música que apesar de falar de um amor que não deu certo pode ser aplicada em todas as áreas da sua vida, é só trocar a palavra paixão! "Quando a paixão não dá certo/ Eu não me permito chorar/ Já não vai adiantar/ E recomeço do zero sem reclamar" - trecho da música Coração Pirata - Roupa Nova.
A dica de hoje é essa: recomeçar do zero sem reclamar. Espero que seja útil à vocês!

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Palmadas heróicas

No mês de junho meus tios maternos fizeram, como de custume, um pequeno arraial para a família. Em volta da fogueira ficamos brincando com as crianças e conversando. Um dos meus tios começou a lembrar de histórias antigas e uma delas se refere a "surras" que minha avó já aplicou neles.
Acho legal contar essa história até para fomentar essa discussão em torno do projeto de lei que proíbe palmadas pedagógicas. Meu tio Zé o mais velho dos homens e o terceiro filho de um casal que teve 12 e adotou a 13ª, lembrava que um dia ele estava paquerando as vizinhas e uma delas disse que estava com vontade de comer manga.
Ele e mais dois amigos, para matar a vontade de moiçolas, resolveram pular o muro do vizinho e trazer a fruta desejada. Na primeira vez deu tudo certo. Mas as folgadinhas quiseram mais mangas. E lá foram eles se aventurar no terreno alheio.
Mas nessa segunda vez não tiveram exito. O vizinho acordou e os encontrou em cima da árvore. Sem pensar duas vezes levou os meninos até suas casas e imaginem o barraco que foi. Minha avó pegou meu tio e o levou para dentro de casa, acordou os outros dois filhos homens que estavam dormindo e deu uma "surra" nos três.
Depois que o choro cessou ela explicou que eles estavam apanhando porque o Zé estava roubando frutas do vizinho e que era para os outros dois nunca fazerem o mesmo. A lição foi aprendida.
Anos mais tarde minha avó foi chamada na escola, meu tio 'Tizio' (já falecido) estava faltando às aulas e a professora queria saber o motivo. Minha avó ficou assustada porque ele saia todos os dias para a escola e ela nem desconfiava que isso estava acontecendo. Foi aí que ela descobriu que ele estava cabulando para jogar bolinha de gude com os amigos que moravam perto do colégio.
Nesse dia ela não esperou chegar em casa. Encontrou o espertinho e o castigou na rua mesmo. Nessa hora passa um policial e diz: Dona, a senhora não precisa bater tanto no menino. E daí vem a resposta mais sábia que já ouvi e que dá base para o meu ponto de vista nessa polêmica:
- Estou batendo nele hoje, para que o senhor não precise fazer isso amanhã!
Meus avôs não tinham um boa condição financeira, mas com essa educação severa criaram as melhores pessoas que eu conheço. Meus tios e tias hoje são empresários, profissionais bem sucedidos, pais exemplares e atribuo isso às lições que eles tiveram. Todas as vezes que erraram eles foram corrigidos.
Acredito que a correção por palmadas é certa. E não digo isso porque foi a filha que menos apanhou aqui em casa (ehehe), mas digo porque aprendi vendo minhas irmãs serem castigadas. E isso está na Bíblia (Provérbios 22:15 ; 23:13). Sem contar que 'só conversar não adianta', foi estas as palavras de uma vizinha ao dizer que se arrepende de não ter batido nos filhos.
Obviamente que sou contra o espancamento e a favor da conscientização sobre os abusos, mas não só contra o abuso dos país sobre os filhos. Porque existem muitos direitos que as crianças e os adolecentes tem garantidos no ECA que infelizmente não são cumpridos nem pelas famílias, nem pelo Estado. E isso também precisa ser debatido e solucionado.
Vamos educá-las e garantir os direitos necessários para que se tornem pessoas de bem!

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Cuidado! Príncipe ou Cinderela??

Já foi a época de perguntarmos "será que ele é?" porque hoje em dia as pessoas andam tão confusas que nem elas mesmas sabem o que na verdade são. Então precisamos acionar o botão de CUIDADO!
Para evitar saias justas duas jornalistas lançaram um guia para as mulheres descobrirem se o "príncipe" é ou não é uma cinderela. Ticiana Azevedo e Consuelo Dieguez se basearam em relatos de mulheres que foram trocadas por homens e lançaram o livro "Cuidado! Seu Príncipe pode Ser uma Cinderela".
O guia prático dá dez lições sobre como identificar um gay enrustido analisando o vestuário, comportamento, vida social, interesses e atividades.
Há quem diga que esse livro é homofóbico, mas eu discordo! Temos que nos prevenir de sofrer por uma paixão que não tem chances de vingar, não por você não ser interessante, mas simplesmente porque no fundo ele não gosta de mulher.
E só para você não se sentir sozinha nesse universo do INCERTO saiba que esse livro, que foi lançado em maio, já está na lista dos mais vendidos no tema 'sexo e relacionamentos', ou seja, isso é mais comum do que pensamos. Eu vou correr pra comprar o meu, porque errar uma vez é humano, duas vezes será burrice.
É meninas, cada dia que passa as coisas pioram pra gente!!! Mas, bola pra frente...uma hora a gente acerta. #boasorte

sexta-feira, 9 de julho de 2010

Dica de filmes: 10 filmes românticos

Era para eu ter postado esta lista na semana do Dia dos Namorados em um "especial" que eu criei que tinha até podcast, mas devidos alguns probleminhas, abortei a ideia. Mas como aqui em São Paulo teremos um feriado prolongado, resolvi postar como dica cultural para quem não vai viajar nos próximos dias.
Listei os melhores romances lançados no cinema na última década. Espero que gostem e apreciem, tem história corriqueiras que caem no lugar comum, mas tem também grandes ensinamentos que nos faz enxergar esperança onde não há.



Sem contar que alugando esses filmes você terá um bom motivo para se livrar da TV aberta e não dar de cara com esses dados macabros que as emissoras insistem em divulgar.



Vamos à lista:
O amor pode dar certo (2006)
Antes que termine o dia (2004)
De repente é amor (2005)
PS Eu te amo (2007)
A Família da Noiva (2005)
De repente 30 (2004)
O Melhor amigo da noiva (2008)
O amor não tira férias (2006)
Minhas Adoráveis ex-namoradas (2009)
10º Uma coisa nova - Surpresas do Coração (2006)


Você tem algum preferido nessa lista??


Tenho uma outra listinha que acabei de fazer com lançamentos de DVDs, todos nessa linha comédia romântica (risos) que é o tipo de filme que eu a-do-ro. Pretendo ver: "Novidades no Amor", "Casa Comigo", "Quando em Roma", "Segunda Chance para o Amor", "O amor acontece" e "Idas e Vindas do amor". Já assistiu algum desses? Diz pra mim qual é o melhor.

Ah! Não posso deixar de indicar um filme muito bonito, que assisti nessa quarta-feira, no Cine Belas Artes. "Flor do Deserto" é uma história real de uma modelo africana que tem lutado contra a mutilação feminina. Tem dados do filme no Lips!

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Obsessão - mais um crime de "amor"

Escrevo este texto tomando cuidado com o teto de vidro...



Estamos acompanhando nas últimas semanas o desaparecimento e logo após a confirmação do assassinato da ex-namorada do goleiro Bruno, um caso que mexe com a opinião pública que já não consegue mais contar nos dedos quantos casos parecidos já foram divulgados nos últimos meses.
Em um desses programas sensacionalistas ouvi uma versão de que a jovem era obcecada pelo jogador e que fazia tudo para vê-lo, para manter contato e etc. E apesar de ter todas as afirmações de que ele não queria mais nada com ela, ela insistia nessa "doença" em tê-lo outra vez.
Por coincidência, assisti há alguns dias o filme Obsessed com a diva Beyoncé, onde uma funcionária temporária se apaixona de forma doentia pelo chefe, este casado com Byonce e não aceita de forma alguma o assédio da funcionária. Não satisfeita com o fora, ela sai enlouquecidamente seguindo seus passos e não medindo esforços para acabar com o casamento dele, achando que assim ele ficaria só com ela.
Não sou psicóloga para tratar perfil de doença mental nenhuma, mas esse assunto realmente me chama atenção. Como somos capazes de achar que somente uma única pessoa na Terra pode nos fazer feliz? (olha o teto de vidro) E que audácia acreditar que a outra pessoa não tem o direito de escolher com quem pode ficar?
Infelizmente, ou felizmente (depende do lado que você está) temos sim o direito de decidir com quem queremos ficar (é duro ouvir isso, eu beeemm sei), mas tem gente que não entende isso e acha que se tirar todas as pessoas da frente pode ter alguma chance de viver algo impossível. Ou pior: acha que pode tirar a vida de quem não te aceita mais, ou tirar a sua própria vida. Sim, o suícidio é muito comum nesses casos. (olha o teto de vidro outra vez)
Mas uma vez não temos certeza de quem tirou a vida de Eliza, mas quantas Elizas ainda estão vivendo em busca de um ideal que não será alcançado, colocando em risco a vida de outras pessoas ou a sua própria, almejando um amor impossível? Isso não vale a pena! Não vale a pena morrer de amor. Não vale a pena matar por amor!
Como sei que muitas vezes a paixão bera a obsessão coloco um teste, faça e descubra em que pé está sua relação ou o projeto que você criou na sua cabeça, e não dispense a ideia de procurar ajuda médica. Sua vida vale mais!
(Ufa, não sou obsessiva!)

terça-feira, 6 de julho de 2010

Cachorrinhos de Luxo

Vi na TV uma matéria que me comoveu. Na verdade me fez questionar sobre o comportamento egoísta que temos tomado nos últimos tempos.
A reportagem mostrava artigos de luxo para cachorros e a história de um Chihuahua americano que ganhou 80% da herança de sua dona. A entrevista também mostrou socialites brasileiras que gastam muito com seus bixinhos.
Achei um absurdo não pelo fato da ostentação, mas pelo fato desse "amor" demonstrado com peças caras seja destinado à animais, enquanto milhares de crianças pelo mundo, inclusive no Brasil, passam necessidades.

Não quero dizer que os bichinhos não mereçam ser bem tratados, muito pelo contrário. Mas achar que um cachorro merece mais que seu filho é um absurdo! E mais do que isso: é uma prova do egoísmo, de uma mesquinhez sem medida.

Acho digno você gastar o seu dinheiro do jeito que quiser, até porque é seu, ganho com suor, seu ou de alguém da familia. Mas vamos pensar no próximo, em quem não tem nada, que perdeu tudo. Só olhar para o nordeste brasileiro. Famílias que vivem com pouco e que nas últimas semanas viu "seu pouco" sendo levado pelas enchentes.

Eu aprendi muito cedo a dar aquilo que eu tenho de sobra para quem precisa. Nunca esqueço de um senhor que veio da subprefeitura da Penha muito abatido e cansado, tanto que até desmaiou na rua. Os vizinhos socorreram e quando ele voltou ao normal explicou sua situação: estava desempregado há meses, sem ter o que dar para sua familia. E como era época de Natal suas filhas pediam presentes e ele não tinha condições de comprar.

Fizemos uma geral nos nossos brinquedos, os bons, os mais bonitos, aqueles que a gente já tinha deixado de lado por ter ganhado outros mais novos, embrulhamos para presente e colocamos em uma sacola. Enquanto isso uma das vizinhas passava de casa em casa pedindo alimentos. Na subprefeitura ele não consiguiu nada, mas daqui ele saiu com dois carrinhos cheios. Um de comida e outro de brinquedo.

Tem tanta entidade filantropica precisando de ajuda, tanta ONG lutando por causas sociais dignas de receber grandes investimentos e, infelizmente, estamos ocupados de mais para olhar para quem realmente merece.

Seu animalzinho merece sim, mas o ser humano precisa muito mais do que ele, porque eles não sabem qual é a diferença de uma coleira cravejada de diamantes, mas famílias pobres ficariam muito felizes com uma lata de leite.