terça-feira, 30 de novembro de 2010

Você sabe gastar?

Essa pergunta é curiosa, pense bem antes de responder!
Não quero saber se você pode, e sim se você sabe. Porque tem muita gente que tem muita grana e que não sabe gastar e outras que ganham menos, mas tem uma consciência do que pode ser gasto e do que tem que ser poupado.
Então, já começo esse post dizendo que não importa o que você ganha e sim como você gasta.
Fiz um curso na ACSP destinado a jornalistas para nos ensinar como tratar de economia para a classe D/E. Enquanto todo mundo corre atrás do dinheiro da classe C, pouca gente se preocupa em falar com quem realmente sabe como gastar.
As informações do curso foram surpreendentes. E até explicam porque a tal da nova classe média é tão endividada. Teve um dos palestrantes que chegou a conclusão de que o lugar de gente feliz não é o Pão de Açúcar, e sim a rede D’avó de Supermercados.
Acho pertinente falar disso nessa época do ano quando o consumo cresce de forma significativa. Esses dias estive cara a cara com uma jovem que tinham acabado de estourar dois cartões de crédito. Ela ficou tão assustada que começou a tremer e até esqueceu a senha do cartão de débito. Pobrecita!!!!
Isso é falta de educação financeira. Volto a dizer que não importa a quantidade de dinheiro que você tenha e sim a forma como você gasta. Infelizmente esse tipo de ensinamento a gente só aprende na marra, quando é informado pelo atendente de que o cartão não foi aceito, ou que o cheque foi devolvido, ou então quando recebe aquela cartinha cinza do SPC ou Serasa.
No Brasil só contamos como dívida as contas que atrasam, quando na verdade a compra a prazo também é um dívida. Sabe aquele carnezinho do carro que você financiou? Ele até pode estar em dia, mas é uma dívida e geralmente é uma loooonga dívida.
Tenho outra história sobre carnês: uma senhora quase faliu com carnês de lojas de departamento, em um mês ela fez mais de 65 compras em uma dessas lojas. Não disse que ela comprou 65 peças e sim 65 vezes. Ela entrou e saiu da mesma loja mais de duas vezes por dia durante aquele mês. Um descontrole só!!
São pessoas descontroladas que acabam gastando mais do que podem.
Se você tiver essa síndrome de Becky Bloom, siga algumas regrinhas antes de torrar todinha a parcela do 13º que você ainda nem recebeu:

$ Mantenha uma planilha de gastos;
$ Faça a conta do que você já tem a pagar antes de sair às compras;
$ Sempre saia com uma lista do que realmente é necessário;
$ Pesquise preços;
$ Saiba quantas horas você vai ter que trabalhar para pagar aquela bolsa linda que você tanto quer; (divida o valor do seu salário pelos dias do mês, depois divida pelas horas que você trabalha)
$ Sempre poupe uma parte de suas remunerações para casos de emergência;
$ Controle seus impulsos.

Para ver: Delírios de Consumo de Becky Bloom
Você sabe gastar? Faça o teste

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Consciência Negra: Comemorar ou Reivindicar?

Tenho uma sobrinha de 4 anos que não quer mais ir à escola porque seus amigos ficam caçoando dela, chamando-a de “neguinha”. O que dizer para uma criança que se sente rejeitada pela cor da sua pele?
Minha mãe lembrava esses dias que na terceira série eu fui ameaçada de morte por uma “coleguinha” de classe. Eu chegava em casa com as pernas roxas de tanto tomar chutes e o motivo: ser negra. (Minha mãe foi até a diretoria e depois de umas conversas o problema foi resolvido e hoje, eu e a Thaís até somos amigas).
Impossível dizer que esse tipo de caso só aconteça com crianças porque nesse ano eu fui várias vezes vítima de racismo. Infelizmente os grandes formadores de opinião desse país não foram educados a tratar as pessoas de forma igual, respeitando seus direitos como cidadãos.
Ainda é raro ver um artista negro fazendo sucesso na TV e nas capas das revistas, quando isso acontece, sempre usam photoshop para clarear um pouco a pele. Não entendo como isso pode acontecer num país como o Brasil onde metade da população é negra/parda.


Como vamos comemorar o feriado da Consciência Negra se ainda ganhamos menos? As últimas análises do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) divulgaram que no Brasil os negros ganham 50% menos que os brancos.
Eu acho um saco ficar dividindo as pessoas por classes e raças, mas o que vamos fazer se aqui isso acontece desde o descobrimento? Mais de 500 anos separando as pessoas, escravizando, explorando... Há muito o que fazer para mudar esse quadro.
Não estou pedindo mais políticas públicas como “Bolsa Família” e cotas em Universidades , porque isso não ensina nossas crianças, que desde pequenas aprendem a tratar o negro com inferioridade, que todos somos iguais. Nem ensina os donos de empresas a olhar o profissional pela sua competência e qualificação, independentemente da sua etnia.
Precisamos mudar essas estatísticas!!! Não podemos mais aceitar essa situação, só temos espaço na sociedade se for ocupando as periferias das cidades e trabalhando em subempregos.
Mais uma vez eu grito: chega de racismo!!!! Vamos lutar por um país justo e com oportunidades iguais.

terça-feira, 16 de novembro de 2010

O futuro dos jornalistas

Um mercado saturado. Empresas que exigem muito, mas pagam pouco, isso é, quando pagam! Anos de estudos e no final o diploma nem é mais necessário. Daí eu me pergunto: qual será o futuro dos jornalistas?
Estive conversando com alguns amigos e colegas de profissão que passam pelo mesmo sufoco que eu ao tentar voltar ao mercado de trabalho e percebi que o problema é bem mais sério do que eu imaginava.
O profissional de comunicação que busca uma nova oportunidade precisa estar disposto a tomar chá de cadeira, a passar por testes incoerentes, a suportar preconceitos, se adequar a exigencias desnecessárias e, sobre tudo, aceitar um salário incompatível com o cargo.
É por esses e tantos outros motivos que tem muita gente mudando o rumo de suas carreiras. Jornalistas brilhantes que preferem uma vaga mais "segura" em outra área do que essa dança da cadeira que acontece nas empresas jornalísticas.
Há quem se sinta seguro em se tornar PJ e oferecer serviços diversos dentro da área de comunicação. Aliás, muitas empresas preferem contratar nesse regime, porque infelizmente contratar no regime CLT sai muito mais caro, graças aos impostos abusivos.
Mas não é todo mundo que consegue uma cartela fixa de clientes que garanta pelo menos o pagamento das taxas mensais que uma pessoa jurídica precisa honrar.
O que vai acontecer com quem não faz parte de grupo?
"Tem profissionais partindo para área de propaganda e marketing, mas não é fácil se adequar às suas mudanças da rotina de trabalho", diz uma jornalista que está mundando seu foco profissional.
Uma outra amiga lembrou do crescente mercado de redes sociais. Uma área promissora que pode sim aproveitar a mão de obra em excesso dentro dos veículos de comunicação.
Tem amigos que desistiram totalmente e tem o jornalismo somente como hobby já que não conseguiram sobreviver dele.
E eu, bom, eu ainda não sei o que vai acontecer comigo!

Também está em busca de trabalho?
Twitter com vagas na área de comunicação: @umalauda @link_zero @tramposfreela @frilas

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Vamos falar sobre preconceito?


Faz meses que queria tratar desse tema no meu blog, mas queria outros fatos que comprovassem a minha tese: preconceito é fato no Brasil!!

No começo do ano consegui um freela em um veículo bem conhecido mas fui surpreendida por um rascismo descabido por parte da equipe. Teve gente que se negou a comer na mesma mesa que eu.

Dias depois fui chamada em uma sala em Moema para tentar outra vaga... nem ao menos fechei a porta e a dona da empresa já estava rindo... A expressão dela queria dizer: como uma negra quer ser assessora do... e da...???

Estamos no século XXI, num país QUASE desenvolvido e multiracial, mas mesmo assim enfrentamos esses casos de abuso moral.

Quer outra prova? Hoje, o que mais se combate nas escolas não é mais o tráfico de drogas e sim o tal do bullying, porque existem crianças que se dão o direito de humilhar os colegas que são gordos, usam óculos, são extremamente altos ou magros, enfim...

A intolerância toma conta do país. Em todos os setores da sociedade existem pessoas que não tiveram educação... A mídia está cheia de racismo, as universidades e até as escolas públicas.

Desde ontem a noite, após o resultado das eleições, uma estudante universitária paulistana revelou com alguns twittes o quanto somos intolerantes, fazendo declaroções xenofóbicas contra os nordestinos que elegeram Dilma.

Confesso que NÃO gostei nada do resultado das eleições, e para quem lê sempre esse blog percebeu que sou completamente contra o PT e tudo que vem dele, mas não me atrevo a humilhar uma pessoa por ela não ter o mesmo pensamento que eu.

Falta respeito aos brasileiros. Respeito e educação! Somos diferentes, mas somos, antes de qualquer coisa, seres humanos!!!

Está na hora de discutirmos o preconceito e a intolerância, não podemos continuar com esse jogo de exclusão e segregação. #chegaderascimo