quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Dieta da Bíblia Como emagrecer

Médicos usam a Bíblia para elaborar dietas de emagrecimento

Hábitos alimentares dos povos antigos seria a alternativa para quem deseja ter uma vida saudável

Diversos nutricionais e até mesmo antropólogos têm estudado os hábitos alimentares dos povos antigos e muitos utilizam a Bíblia para selecionar os alimentos consumidos pelos personagens e assim ditar uma dieta baseada em uma alimentação saudável e natural.

Há anos as revistas femininas têm abordado a chamada Dieta da Bíblia prometendo "secar" muitos quilos em poucos dias. De fato o Novo e principalmente o Velho Testamento ditam algumas restrições alimentares, como o capítulo 14 do livro de Deuteronômio que restringe o consumo de carnes como coelho, porco e libera carne de boi, ovelha, cabra e frutos do mar.

Entre os estudiosos que fizeram dietas baseadas nas Escrituras está o supervisor médico do Emagrecentro, Edson Ramuth, que promete o emagrecimento de até cinco quilos em apenas 11 dias. Essa Dieta da Bíblia envolve o consumo de pão de centeio, leite, frutas, verduras, peixes e pouca quantidade de carne vermelha.

O médico americano Don Colbert tem escrito vários livros relacionados ao tema, ele além de nutrólogo também é pastor e usa seus conhecimentos para encorajar as pessoas a adotarem uma alimentação saudável seguindo o exemplo de personagens bíblicos.

O primeiro livro de Colbert foi What Would Jesus Eat? [O que Jesus Comeria?] lançado em 2002 e usando a alimentação de Cristo como forma de ter uma vida cheia de energia e saúde. "A publicação não tem intenções religiosas. Nela, provo cientificamente que os alimentos daquela época fazem bem à saúde e mostro como tirar proveito deles", disse o pastor em entrevistas.

Já no livro "A Dieta de Jesus e Seus Discípulos" Colbert vai além e mostra como fazer um cardápio seguindo os costumes antigos, pedindo para não consumir alimentos industrializados, dar preferência para verduras sem fertilizantes e consumir muitas frutas.

Seria essa a fórmula "sagrada" para uma vida saudável? Órgãos mundiais estão em alerta em relação a obesidade que tem atingido vários países do mundo. Nos Estados Unidos, inclusive, as igrejas estão adotando práticas de exercícios e apoiando programas de emagrecimento para tentar diminuir os altos índices de doenças geradas pelo acúmulo de peso.

No Brasil os estudos mostram que quase metade da população está acima do peso. As pesquisas dizem que o fator para essa alta está realmente ligado ao padrão alimentar que dá preferência para alimentos industrializados que possuem mais conservantes.

O Ministério da Saúde mostrou preocupação em relação a esse fator e a secretaria de Vigilância em Saúde do ministério, Deborah Malta, falou aos jornais sobre como ter uma vida saudável. Suas recomendações são as mesmas descritas nessas dietas baseadas na Bíblia: Dar preferência para alimentos saudáveis como frutas, legumes e verduras e deixar de consumir produtos industrializados com elevado teor de calorias, gorduras e açúcares.


segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Namoro a distância


Tenho muitas amigas que conheceram, namoraram e até casaram com homens que viviam em outras cidades e até em outros países, mas recentemente uma amiga minha encontrou pela internet “o homem dos seus sonhos” que morava aqui mesmo em São Paulo. O relacionamento deu muito certo (graças a Deus), mas ele resolveu retomar seu antigo emprego em outro Estado e lá ficou minha amiga toda tristonha morrendo de saudades.

Hoje com a revolução tecnológica é muito normal encontrar casais que sobrevivam a relacionamentos á distância, tenho até outra amiga que namora há anos com um cara que ele nunca viu. Estranho? Não, moderno.

A edição de setembro da revista Gloss veio com uma reportagem sobre isso mostrando que é possível que o amor sobreviva ainda que milhares de quilômetros estejam no meio do casal.

Tentando animá-la em relação à saudade, eu pedi para que ela se imaginasse vivendo a20 anos atrás quando o MSN e o Skype não existiam. O jeito deles se comunicarem seria apenas por carta e telefone (se bem que naquela época o telefone era artigo de luxo)... tenta montar essa cena em sua cabeça, você morrendo de vontade de falar, ver, beijar e abraçar uma pessoa e ter que se contentar em ouvir a voz pelo telefone ou aguardar ansiosamente por uma carta.

Viva a tecnologia que aproxima as pessoas!!!

Bom, eu não passei por isso para poder dar dicas, mas além de comprar a revista, você também pode assistir ao filme "Amor à Distância", é muito legal!!!

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

O que te leva a comprar?

Depois de ler muito sobre o assunto (e até esboçar um livro) sobre finanças pessoais eu posso dizer que estou bem mais educada. Hoje eu paro e penso duas vezes se realmente preciso comprar ou se é só impulso e/ou compulsão. Ainda não juntei 1milhão, mas pelo menos não estou no vermelho.

Dizem que nós, mulheres, nos produzimos para outras mulheres, assim como quando um homem compra um carro novo ele o faz para se exibir para seus amigos (vide meu pai que comprou um carro sem nem mesmo dirigir, só para dizer que #pode).

Enfim, compramos muitas coisas sem necessidade apenas para mostrar nosso poder de aquisição, ou para não ficar “por fora” da moda.

Assisti a um filme que me chamou muito a atenção: "Amor por Contrato", um romance que me deixou bastante pensativa, não a respeito do amor, mas sim do consumo, pois o longa mostra o estimulo do consumo que faz com que as pessoas gastem mais do que podem.

Na trama, os vendedores fingem que são uma família e se mudam para um bairro rico e passam a exibir produtos de última geração, incentivando as outras pessoas a comprarem aqueles produtos.

No final o vizinho que comprou tudo o que foi “estimulado pela família perfeita”, acaba se matando por estar ‘afogado’ em dívidas.


video

Quantas pessoas já não se afundaram para ter um padrão de vida acima do que elas realmente poderiam ter?

Por isso, antes de passar o cartão de crédito ou assumir uma dívida pense muito bem se você precisa daquilo e se terá condições de pagar a fatura depois.

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Aprendendo a reclamar

Vou confessar que depois que passei por uma grande crise financeira aprendi a valorizar o meu dinheiro. Não que hoje eu gaste menos (alías, quanto mais a gente ganha, mais a gente gasta, não é mesmo?), apenas presto atenção para ver se o dinheiro está sendo empregado corretamente e se realmente vale o que estão cobrando.

Percebi essa minha nova atitude esses dias, quando fiz a inscrição para um curso de extensão durante as férias de julho. Não gostei da primeira aula e tentei brigar com a diretoria da faculdade para trocar de curso. Não consegui. O pior era que tinha me inscrito em outro com a mesma professora. Esse segundo não foi tão ruim, mas também contei como dinheiro perdido.

Na semana passada encontrei outro curso de extensão dentro da área que estou atuando e fui até a universidade pagar a taxa e ter acesso ao conteúdo programático para ver se viria de encontro com as expectativas que tenho sobre o curso. Mas lá ninguém sabia me dar essas informações. Fiquei duas horas dentro de dois campus dessa faculdade e não obtive nenhuma resposta.

Cancelei a matrícula e não paguei a inscrição. Percebo pelo atendimento que a faculdade não era o que eu esperava. E tenho feito o mesmo em lojas. Se não me atendem direito não merecem ficar com o meu dinheiro.

Até com a operadora de celular tenho me estressado. Na hora de cobrar é tudo muito rápido, mas quando temos algum problema para resolver ou para sermos ressarcidos tudo fica mais difícil.

Comprei um produto por um site de compras coletivas e tive um problema no estabelecimento que se negou a me atender (acha?). Entrei em contato com o site pedindo o dinheiro de volta e fui informada de que teria que enviar uma série de documentos para provar que eu era eu mesma e só assim o dinheiro voltaria para minha conta.

O engraçado é que quando debitaram não pediram nenhum documento que provasse que eu era a dona da conta, interessante, não?

Diante de tudo isso, tenho percebido a importância de sabermos nossos direitos como clientes, consumidores, alunos e também como funcionários. Proteste, reclame, corra atrás dos seus direitos!!!

Como diria a Lady Kate: “To pagando!”

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Prós e contras do home office

Às vezes converso com familiares e amigos que se queixam do trabalho e então eu digo que adoraria ter um trabalho “normal”, com horário de entrar e de sair, com carteira registrada, dividir a sala com outras pessoas, ter com quem conversar, tirar dúvidas, aprender, fazer amizades e etc. Ninguém consegue entender que, apesar de ser muito bom trabalhar em/de casa, esse tipo de serviço também tem seus ônus.

Resolvi então listar os prós e os contras do home office para provar que nem tudo são rosas...


Prós:

1 – poder fazer seu próprio horário. Além de começar o terminar o job na hora que quiser, você também não perde o dia se precisar ir ao médico, pagar contas no banco e etc;

2 – fazer seu próprio salário;

3 – Liberdade para trabalhar para mais de uma empresa;

4 – Não pegar trânsito e ou condução lotada;

5 – Não ter que aguentar “os malas”, toda empresa tem ao menos um... até tem casos que “o mala” em questão é a pessoa que paga o teu salário...

Contras:

1 – Ter que fazer jornadas maiores para dar conta da produção;

2 – Estar preparado a passar o mês com menos, já que o número de Jobs pode diminuir;

3 – Não ter um salário fixo, o que te obriga a estar sempre atento e procurando novos clientes;

4 – Não sair de casa. O que te impede de conhecer muitas pessoas...e quem sabe um amor (Li em algum lugar que 50% das pessoas conhecem os parceiros no trabalho);

5 – Não receber feedback. Sinto falta de ser corrigida, de ter alguém, mesmo que encha o saco, me ensinando e mostrando os meus erros (eu sou uma pessoa submissa, tiro de letra como lidar com os malas).


terça-feira, 23 de agosto de 2011

Um cantor oportunista - A importância da checagem de informações no jornalismo

Quando eu trabalhava no JP presenciei a história de um travesti da região que queria se promover em cima do caso do jogador Ronaldo que se envolveu com travestis (leia aqui). Na semana passada recebi um e-mail encaminhado pelo dono de um site supostamente assinado por Bruno Chateaubriand querendo promover um cantor gay gospel.
Nada contra gays, nem contra gays gospel. Só que, ao ler o e-mail, fui me recordando exatamente do travesti de Itaquaquecetuba e região que queria aparecer em cima de fatos que tomaram grandes proporções na mídia.
Esse, além de fingir ser alguém que não era (nunca que uma pessoa ilustre como o jornalista e promoter Bruno Chateaubriand iria enviar um email para promover um cantor gospel, né?) ele ainda inventou histórias que davam a entender que ele teve um caso com o filho de um ilustre pastor (pelo que entendi era o filho do pastor Silas Malafaia que deve ter o dobro da idade desse jovem cantor). E que vários artistas desse segmento frequentavam sua casa, mas só enviou fotos de bastidores de show e de tardes de autógrafos.
Enfim, escrevo este texto para reafirmar a importância da checagem de informações no jornalismo. Com uma simples busca no Google percebi que o cantor em questão não poderia ter sido expulso de uma Assembleia se ele sempre frequentou uma Batista, tão pouco poderia ter namorado com um cara que teria a idade do pai dele (se bem que esse mundo está perdido) e que provavelmente não teria nenhum tipo de contato com ele.
Tudo o que estava naquele e-mail e até mesmo no blog pessoal desse rapaz parece mais com uma forma de se promover em cima dessa discussão entre Malafaia versus militantes gays. Afirmando ter um caso homossexual com o filho do maior inimigo dos homossexuais ele estaria no topo da mídia, podendo divulgar seu mais novo CD.
Tá bom Cláudia, senta lá!
Sem apuração, inverdades como essa podem simplesmente cair na agenda da mídia... e sabem como é, uma mentira contada várias vezes pode se tornar uma verdade.

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Voltando...

olá querido leitores,
estou voltando a postar neste blog depois de meses...
Estive longe deste blog, mas tenho estado diariamente online, escrevendo para outros sites. Encontrei no jornalismo online uma fonte de sobrevivência nesse mercado tão saturado. Apesar de me afastar da grande paixão que tenho pelo jornalismo impresso, é assim que estou me mantendo viva e com as contas em dia.
Acessa lá:





domingo, 15 de maio de 2011

Cursos de Automaquiagem

Muitas mulheres têm dúvidas de como se maquiar, principalmente quando precisa usar algum truque para abrir o olhar ou esconder alguma marca. Dicas que só profissionais de beleza podem passar.
Por esse motivo algumas lojas de maquiagem oferecem cursos de automaquiagem, uma delas é a rede de lojas O Boticário que disponibiliza cursos onde a maquiadora da rede e as consultoras ensinam todos os passos para uma maquiagem perfeita. Desde como se passar a base até delineadoras, sombras e batom. A carga horária desse curso é de 2h30.
A Contém 1g também oferece esses cursos, divido em níveis você aprende desde maquiagem básica para o dia a dia até makes para festas glamourosas.
Os interessados pelo curso podem pedir informações em uma dessas lojas. Na Contém 1g o curso custa em média R$100 e você retira R$50 de produtos da loja. Já na O Boticário você compra alguns produtos de uma das linhas e recebe o curso gratuitamente.
Vale a pena participar!!! #ficaadica

sexta-feira, 29 de abril de 2011

Profecia sobre o iPad

S1 e S2 da Sony - concorrentes direto do iPad

Eu lembro como se fosse hoje que um dos professores da faculdade anunciava que o jornal de papel seria substituído por um computador de mão do tamanho de uma folha de sulfite.

Aquilo nos instigava, será que estaríamos vivos para presenciar essa época? Como seria ler um jornal em um aparelho tão pequeno?

Poucos anos depois assistimos deslumbrado aos lançamentos dos tablets, o pioneiro da Apple abriu as portas para que outras empresas criassem seus modelos e essa concorrência tem alimentado o mercado mundial que já consumiu milhares desses produtos.

Recentemente fiz um texto sobre o lançamento de dois concorrentes do iPad fabricados pela Sony que encheram os meus olhos: o S1 e o S2 tablets com sistema Android, câmera e Wi-Fi. O segundo tem um diferencial que eu particularmente amei, porque ele se dobra ao meio. Ideal para leitura de e-book e porque não dizer ideal para leitura de jornais e revistas?

Hoje vários veículos impressos distribuem conteúdos especiais para tablets. A pioneira no Brasil foi a Veja, meses depois até a Atrevida já disponibiliza suas matérias superfofas para as leitoras mais antenas no mundo da tecnologia.

Acredito que esse mercado de conteúdo digital só tem a acrescentar tanto aos jornalistas como ao público que têm acesso à informação cada vez mais próximo podendo ser acessada de qualquer lugar.

Viva a tecnologia!

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Aprenda sobre finanças pessoais

A ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão, Miriam Belchior, tem como função administrar os gastos públicos e por esse motivo, precisa ter muita cautela na hora de aprovar o que pode ser gasto ou não. Ela que controla um orçamento gigantesco como o do nosso país, também sabe dar dicas para administração pessoal. Anote:
1- Veja o tamanho de suas pernas e não dê passos maiores que elas;
2- Quando acontecer desiquilíbrios é melhor renegocias as dívidas e não entrar no cheque especial;
3- Tenha a real consciência da sua receita para se adequar às despesas.
Fonte: Marie Claire (edição 241 - abril/2011)

Finanças pessoais é um dos assuntos mais procurados do momento, talvés porque todos nós estamos interessados em gastar nosso dinheiro de forma consciente sem cair toda hora nos juros abusivos e sem precisar ficar pedindo empréstimos toda hora, não é mesmo?
Prova disso é que existem diversos best-sellers sobre o assunto. Até eu que não tenho grandes sucessos sobre esse tema já me arrisquei a dar palpites sobre isso. Leia Aqui
Se você está interessado em aprender mais sobre finanças pessoais siga o blog Sobre Dinheiro escrito por Daniela Salim que é consultora financeira e economista, ou seja, assim como a ministra, entende muitoooo do assunto!!!
Link

segunda-feira, 4 de abril de 2011

Vale-cultura tenta aumentar o acesso à livros, museus e teatros

A ministra Ana de Holanda, Cultura, anunciou que já tramita no Congresso um projeto de lei que dará a todo trabalhador cadastrado e empregado em empresas de lucro real um vale-cultura de R$ 50 que poderá ser usado na compra de livros, CDs, DVDs e revistas ou para a entrada de cinema, museus e teatros.
Essa iniciativa visa estimular o consumo cultural e tentará promover o acesso à cultura para as classes mais pobres que não tem o costume de gastar uma parcela de seu salário com esses produtos.
Essa proposta está em pauta desde outubro passado, e além aumentar o consumo de produtos culturais ela vai aumentar o número de empregos no setor. Uma medida que vai beneficiar todos os lados.
Eu sou uma das que acha que esses produtos são caros perto dos padrões econômicos de uma parcela significativa da sociedade e fico muito feliz em saber que isso vai ajudar a diminuir a chamada "desigualdade cultural". Um assunto já discutido aqui no Bloco de Notas.
Tomara que os excelentíssimos aprovem logo essa ideia!


sexta-feira, 1 de abril de 2011

Mentirinhas que todo mundo conta

Elas são do mal, acabam com muitas relações e são consideradas pela Bíblia como pecado. Mesmo assim, uma pesquisa feita em 2004 revelou que NINGUÉM consegue viver sem mentir. E sabe por quê? Porque às vezes elas nos livram de saias-justas e de várias broncas.
Como hoje é o Dia da Mentira selecionei uma listinha de mentirinhas que você já contou ou que em algum dia da sua vida vai contar. Quer apostar?!

Eu só tirei nota baixa na prova de matemática porque aquela professora não explica nada!

Eu não fui pra escola hoje porque a professora iria faltar/ ou não teve aula.

Mãe, a escola resolveu emendar toda a semana do feriado!

Descupa ter me atrasado para a reunião, peguei um trânsito danado!

Meu time só perdeu porque o juiz foi comprado!

Sou solteira por opção.

Nosso relacionamento terminou mas ainda somos amigos.

Espera, fico pronta em cinco minutos!

Na segunda-feira eu começo um regime!

Eu nunca foi traído.


Amor, hoje não vai rolar... estou com uma dor de cabeça...

Você me ligou? Jura? Não ouvi o telefone tocar...

Eu só não te liguei porque não lembro onde anotei seu telefone!

A noite foi ótima! Te ligo amanhã pra gente marcar outro encontro!

Não me espere pro jantar, nessa sexta-feira eu vou trabalhar até mais tarde. (#butequisnegads)

Eu só bebo socialmente.

Oi, já estou quase chegando!

Mãe, vou sair com meus amigos, mas volto cedo. Prometo!

Sei que faltaram milhares de "mentirinhas", mas nesse blog não caberia todas elas. E aí, qual mentirinha você mais conta?

segunda-feira, 21 de março de 2011

Que Mico



Saiu a edição da Atrevida que eu produzi no ano passado. É um especial com os melhores "micos" publicados nesses 16 anos da revista. Coletei e selecionei esse material e ainda consultei psicólogos e professores de etiqueta para ensinar a garotada a super essas situações embaraçosas.

Mas pensando bem, não são só os adolescentes que cometem micos, né?! Eu sempre fui atrapalhada e às vezes lembro de situações tão constrangedoras que dá vontade de deletar certos dias da memória...

Falar o que não deveria na hora errada, cair na frente de quem você quer conquistar ou bater uma bola fora bem quando você quer impressionar são as coisas mais corriqueiras que podemos comentar.

E como sair dessas saias-justas?? As dicas da maioria dos entrevistados dessa edição servem até mesmo para os grandinhos: Rir de si mesmo, ser o primeiro a assumir o erro e brincar com a situação antes que as outras pessoas façam desse fato um verdadeiro espetáculo. O que não é nenhum pouco agradável.

A edição está muito boa, vale a penar comprar na bancas.

quinta-feira, 10 de março de 2011

Os dias das minorias

Essa semana foi comemorado o Dia Internacional da Mulher que é fruto de várias conquistas positivas para nós, mulheres, que brigamos muito para provar a nossa igualdade. Mas falta muito para que todos sejam realmente iguais.

Não é só na equiparação de salários que as mulheres saem perdendo. Os homens ainda dominam em todas as culturas. Minha amiga Tatiana lembrou muito bem em seu blog como as mulheres na África e Oriente Médio são maltratadas e submetidas a mutilação feminina.

Essa "circuncisão" acontece porque nessas culturas a mulher não tem direito ao prazer. O clitóris é retirado das meninas a partir dos 3 anos de idade. Cheguei a assistir o filme Flor do Deserto que conta a história da modelo somália, Waris Dirie, que sofreu essa agressão e hoje tem uma ONG para impedir que essa atrocidade continue acontecendo.

O que posso falar do Brasil? Que aqui nossas mulheres são vítimas de violência familiar e mesmo com a Lei Maria da Penha, ainda presenciamos casos de espancamentos. Fora o que assistirmos nos telejornais que mostram quase todos os dias os casos de crimes passionais que matam centenas todos os anos.

Até quando vamos ter somente um dia para lembrar de todas as “minorias” que são excluídas ou exploradas pelo restante da humanidade?

Por que ainda temos dia da mulher, do índio, do negro, do trabalho? Por que é necessário criar um Ministério da Igualdade Racial em um país que libertou seus escravos há quase 123 anos?

Ainda acredito que essas diferenças podem ser resolvidas através da educação, que não significa só papel e caneta, mas exemplos e atitudes diárias. Não é só elaborar políticas públicas e leis que proíbam as formas de preconceito, é necessário equiparar as pessoas, fazer valer o que a nossa Constituição JÁ GARANTE: Todos são iguais e pronto!!

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Acessibilidade do portão pra dentro

Estou há um mês e dez dias tendo que me adaptar a vida com minhas mobilidades reduzidas, como escrevi aqui recentemente cai na rua quebrei o tornozelo, com isso precisei fazer uma cirurgia ortopédica que me deixou de molho por mais tempo.
É nessas horas que a gente entende o motivo da reclamação dos portadores de necessidades especiais. Não quero fazer um discurso xingando as autoridades pela falta de transporte coletivo adequado, nem de calçadas e vias que possibilitem a passagem de qualquer pessoa, tendo ou não qualquer deficiência.
Venho falar de outra coisa: das casas que construímos sem pensar no dia de amanhã. De apartamentos e sobrados que não são adaptáveis a situações de redução de movimentos.
Fiquei esse tempo todo presa no andar de cima, porque minha casa tem vários desníveis. A começar pelo portão, partindo para os degraus que ligam a garagem com a sala, a escada que liga a sala aos quartos, o desnível da entrada do banheiro... enfim... presa no meu quarto eu me via livre de superar ou me quebrar de vez nesses degraus.
Lembrei de uma vizinha que morava em um sobrado quase em frente ao meu, sua mãe teve um problema nas pernas e passou a andar com ajuda de um andador. Para não deixá-la presa em um cômodo, como eu fiquei, sua filha teve que se mudar para uma casa térrea.
Também escrevi sobre estarmos preparados para todas as coisas. Você está preparado para ficar doente e ter que enfrentar problemas como esse? Ficar sem movimentar algum membro do corpo nem que seja por alguns meses? E a sua casa, ela está preparada para receber uma pessoa com deficiência? E se essa pessoa for o dono da casa??
Questões que não pensamos até mudarmos de lado. Já consigo arriscar uns passos sem as muletas, mas vou confessar que não paro de pensar nessas adaptações. Será que os engenheiros e arquitetos pensam nisso quando planejam suas obras (se não for prédios comerciais, por causa das leis)?
Hoje acredito que a acessibilidade não pode estar só do portão pra fora.

domingo, 20 de fevereiro de 2011

Você precisa estar preparado para todas as coisas

Essa frase eu ouvi em um culto em 2009, mas não está na Bíblia. O pastor estava dizendo que precisamos estar preparados para enfrentar tudo na vida. A perda de um ente querido, do emprego, do namorado.... e outras tantas situações que não planejamos passar e passamos.
Acho que de todos os concelhos que já recebi essa frase é a única que se enquadra em todas as áreas. E talvez por isso eu ainda a tenho na memória.
Conheço muitas pessoas que se desestruturaram psicologicamente por não aceitarem os baques da vida. Não é a toa que a depressão virou o mal do século. Sem contar a Sindrome do Pânico. Essas doenças são tão comuns nos dias de hoje que até mesmo crianças são diagnosticadas com elas.
Mas como reagir de forma diferente diante de tanta coisa ruim que acontece no nosso dia-a-dia?
Talvez hoje eu tenha como responder essa pergunta. Por tudo o que já aconteceu de ruim comigo, sabe. Ás vezes parece que tem uma nuvenzinha negra em cima de mim... só chove, chove...rsrs Mas é com rsrs (risos) que eu tenho me mantido firme nessa batalha que é a vida.
Já ouviram falar no copo meio cheio e no meio vazio? Aprendi a enxergar meu copo sempre meio cheio. Ainda que eu tenha pouco, sempre tenho alguma coisa. Mesmo que pareça quase nada.
Ainda não fiz terapia, mas te aconselho a proucurar por esse tratamento. Aliás, no meu ver, a psicoterapia PRECISA entrar nos tratamentos da saúde pública, pois estamos criando e vivendo em uma sociedade mentalmente doente, descontrolada.
Eu não lembro de ter feito uma postagem sobre autoajuda, mas juguei necessária. Afinal ainda estamos no começo do ano e muita coisa pode acontecer e você, caro leitor, precisa estar preparado!

Vale a pena:
Ler > O Beijo na Realidade, de José Luiz Tejon
O Poder do Riso, Mariana Funes
O Salvador Mora ao Lado, Maz Lucado

Ver> A Caminho da Felicidade

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Jornalismo preguiçoso

Eu confesso a minha frustração profissional por ver a forma como as redações funcionam hoje. Quando eu entrei na faculdade, na década passada, me imaginava andando de um lado ao outro pra fazer matérias e entrevistas diversas. Mas hoje faço tudo isso aqui de casa. Sem sair do lugar.
Não consigo dizer se isso é de todo ruim. Mas fico incomodada quando só posso fazer uma entrevista por e-mail. Mesmo tentando pelo telefone a outra pessoa prefere responder online.
Isso me incomoda porque as respostas nunca vêm completa. Pessoalmente a conversa flui e o material fica bem maior, com mais informações.
Como disse no outro texto é comum ler matérias citando a página do twitter de uma personalidade. Apesar de prático, não é legal! Legal é ver uma matéria completa, com a pessoa se explicando, dizendo o que fará, o que fez... explicando seus motivos, se defendendo com mais de 140 toques.
Enfim. A modernidade tem seu lado bom e ruim.

#confições

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

"Em seu twitter" - Redes Sociais e jornalismo

Em 2007 eu escrevi sobre as formas de usar o Orkut no jornalismo, tanto para encontrar fontes e pautas como para usar em serviços de assessoria de imprensa e divulgação.
Mas isso era só o começo das mudanças que as redes socias criariam no nosso trabalho como jornalistas. Hoje elas são usadas como apoio na produção de conteúdo na hora de encontrar uma fonte, por exemplo.
Mas não é só isso. As redes sociais viraram um contato direto com o leitor, dessa forma o feedback vem imediatamente, sem contar com a possibilidade de fazer com que o seu conteúdo seja espalhado para um número maior de pessoas.
Ou seja, além de trazer as pessoas para perto da redação e também o caminho inverso, as redes sociais viraram uma mídia a parte. Hoje as empresas de comunicação e os jornalistas, PRECISAM estar conectados em pelo menos uma das dezenas de redes sociais que existem.
Acredito que todas essas transformações são benéficas para dar o resultado de "imediato" que sociedade moderna precisa. Por isso, boa parte de nós, jornalistas, ficamos sentados na frente do computador monitorando as redes sociais, principalemte o Twitter, para encontrar alguma frase que baseie uma matéria.

Quer exemplos:
Política:
Romário comenta seu primeiro discurso no plenário: 'Deu um frio na barriga'
Esporte:
No twitter, Mano Menezes comenta sobre a derrota para a França

Entreternimento:
Arnold Schwarzenegger volta para os cinemas

Britney Spears diz que quer fazer shows no Brasil

Cidades:
Prefeito diz que Ilha, Portela e Grande Rio deveriam ser julgadas

Os sites de fofocas então... nem preciso exemplificar não é?!

O jeito é acompanhar o ritmo e ficar de olho para ser o primeiro a ver a atualização pra dar tempo de produzir a nota antes da concorrência.
Aliás, o mercado de Redes Socias está em alta!!! #ficaadica

domingo, 23 de janeiro de 2011

Calçada ideal - política da boa vizinhança



Eu vou confessar que não sabia que existia uma lei que "padronizasse" as calçadas da cidade de São Paulo para promover acessibilidade e evitar acidentes.
Descobri isso essa semana, depois de escorregar em uma calçada de cerâmica e quebrar o tornozelo. Isso mesmo... uma calçada fora dos padrões mudou a minha rotina e me fez perder 'A' grande oportunidade da minha carreira.
Mas não quero fazer desse blog um espaço para murmurações, mas sim para alertar a todos que é necessário adotar as medidas estabelecidas pela prefeitura para evitar casos parecidos com o meu.
Também é importante lembrar que apesar da calçada ser pública, a responsabilidade por ela é do dono, ou seja... é você que precisa zelar dos cuidados da sua calçada e também pagar para deixá-la nos padrões estabelecidos pela Lei Calçada Ideal.
Veja só como deve ser uma calçada segura:

** A Prefeitura da São Paulo estabelece as regras para a calçada ideal, a começar pelos quatro tipos de piso: pavimento intertravado, placas de concreto, ladrilho hidráulico e concreto moldado no local (veja quadro).

“Os quatro pisos determinados pela Prefeitura foram testados porque são mais seguros, oferecem acessibilidade para todos, inclusive para quem tem mobilidade reduzida e deixam as calçadas mais bonitas. Os passeios feitos nesses padrões são bons tanto para o donos de imóveis quanto para os pedestres”, afirma
Karla Cunha, arquiteta que mantém o blog www.karlacunha.com.br sobre arquitetura e sustentabilidade. ** Fonte: Jornal da Tarde 06/03/2010
Além do tipo de piso a lei também regulamenta a inclinação de até 2% da calçada... pois é... fiquei surpresa com a quantidade de detalhes que é LEI e que mais de 90% da cidade ignora e infelizmente muita gente acaba se prejudicando por causa disso.
Para se ter uma ideia, uma das minhas tias está internada e precisou operar o tornozelo após escorregar. A vizinha da rua de trás está há meses tentando se recuperar de um tombo em uma calçada do centro e não está tendo exito. Foram três operações e ela ainda não está bem, e detalhe: ela se casará no próximo sábado e não consegue andar... imagina o desespero de ver o dia mais feliz da sua vida sendo prejudicado pelo descaso de alguém.