segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Acessibilidade do portão pra dentro

Estou há um mês e dez dias tendo que me adaptar a vida com minhas mobilidades reduzidas, como escrevi aqui recentemente cai na rua quebrei o tornozelo, com isso precisei fazer uma cirurgia ortopédica que me deixou de molho por mais tempo.
É nessas horas que a gente entende o motivo da reclamação dos portadores de necessidades especiais. Não quero fazer um discurso xingando as autoridades pela falta de transporte coletivo adequado, nem de calçadas e vias que possibilitem a passagem de qualquer pessoa, tendo ou não qualquer deficiência.
Venho falar de outra coisa: das casas que construímos sem pensar no dia de amanhã. De apartamentos e sobrados que não são adaptáveis a situações de redução de movimentos.
Fiquei esse tempo todo presa no andar de cima, porque minha casa tem vários desníveis. A começar pelo portão, partindo para os degraus que ligam a garagem com a sala, a escada que liga a sala aos quartos, o desnível da entrada do banheiro... enfim... presa no meu quarto eu me via livre de superar ou me quebrar de vez nesses degraus.
Lembrei de uma vizinha que morava em um sobrado quase em frente ao meu, sua mãe teve um problema nas pernas e passou a andar com ajuda de um andador. Para não deixá-la presa em um cômodo, como eu fiquei, sua filha teve que se mudar para uma casa térrea.
Também escrevi sobre estarmos preparados para todas as coisas. Você está preparado para ficar doente e ter que enfrentar problemas como esse? Ficar sem movimentar algum membro do corpo nem que seja por alguns meses? E a sua casa, ela está preparada para receber uma pessoa com deficiência? E se essa pessoa for o dono da casa??
Questões que não pensamos até mudarmos de lado. Já consigo arriscar uns passos sem as muletas, mas vou confessar que não paro de pensar nessas adaptações. Será que os engenheiros e arquitetos pensam nisso quando planejam suas obras (se não for prédios comerciais, por causa das leis)?
Hoje acredito que a acessibilidade não pode estar só do portão pra fora.

domingo, 20 de fevereiro de 2011

Você precisa estar preparado para todas as coisas

Essa frase eu ouvi em um culto em 2009, mas não está na Bíblia. O pastor estava dizendo que precisamos estar preparados para enfrentar tudo na vida. A perda de um ente querido, do emprego, do namorado.... e outras tantas situações que não planejamos passar e passamos.
Acho que de todos os concelhos que já recebi essa frase é a única que se enquadra em todas as áreas. E talvez por isso eu ainda a tenho na memória.
Conheço muitas pessoas que se desestruturaram psicologicamente por não aceitarem os baques da vida. Não é a toa que a depressão virou o mal do século. Sem contar a Sindrome do Pânico. Essas doenças são tão comuns nos dias de hoje que até mesmo crianças são diagnosticadas com elas.
Mas como reagir de forma diferente diante de tanta coisa ruim que acontece no nosso dia-a-dia?
Talvez hoje eu tenha como responder essa pergunta. Por tudo o que já aconteceu de ruim comigo, sabe. Ás vezes parece que tem uma nuvenzinha negra em cima de mim... só chove, chove...rsrs Mas é com rsrs (risos) que eu tenho me mantido firme nessa batalha que é a vida.
Já ouviram falar no copo meio cheio e no meio vazio? Aprendi a enxergar meu copo sempre meio cheio. Ainda que eu tenha pouco, sempre tenho alguma coisa. Mesmo que pareça quase nada.
Ainda não fiz terapia, mas te aconselho a proucurar por esse tratamento. Aliás, no meu ver, a psicoterapia PRECISA entrar nos tratamentos da saúde pública, pois estamos criando e vivendo em uma sociedade mentalmente doente, descontrolada.
Eu não lembro de ter feito uma postagem sobre autoajuda, mas juguei necessária. Afinal ainda estamos no começo do ano e muita coisa pode acontecer e você, caro leitor, precisa estar preparado!

Vale a pena:
Ler > O Beijo na Realidade, de José Luiz Tejon
O Poder do Riso, Mariana Funes
O Salvador Mora ao Lado, Maz Lucado

Ver> A Caminho da Felicidade

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Jornalismo preguiçoso

Eu confesso a minha frustração profissional por ver a forma como as redações funcionam hoje. Quando eu entrei na faculdade, na década passada, me imaginava andando de um lado ao outro pra fazer matérias e entrevistas diversas. Mas hoje faço tudo isso aqui de casa. Sem sair do lugar.
Não consigo dizer se isso é de todo ruim. Mas fico incomodada quando só posso fazer uma entrevista por e-mail. Mesmo tentando pelo telefone a outra pessoa prefere responder online.
Isso me incomoda porque as respostas nunca vêm completa. Pessoalmente a conversa flui e o material fica bem maior, com mais informações.
Como disse no outro texto é comum ler matérias citando a página do twitter de uma personalidade. Apesar de prático, não é legal! Legal é ver uma matéria completa, com a pessoa se explicando, dizendo o que fará, o que fez... explicando seus motivos, se defendendo com mais de 140 toques.
Enfim. A modernidade tem seu lado bom e ruim.

#confições

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

"Em seu twitter" - Redes Sociais e jornalismo

Em 2007 eu escrevi sobre as formas de usar o Orkut no jornalismo, tanto para encontrar fontes e pautas como para usar em serviços de assessoria de imprensa e divulgação.
Mas isso era só o começo das mudanças que as redes socias criariam no nosso trabalho como jornalistas. Hoje elas são usadas como apoio na produção de conteúdo na hora de encontrar uma fonte, por exemplo.
Mas não é só isso. As redes sociais viraram um contato direto com o leitor, dessa forma o feedback vem imediatamente, sem contar com a possibilidade de fazer com que o seu conteúdo seja espalhado para um número maior de pessoas.
Ou seja, além de trazer as pessoas para perto da redação e também o caminho inverso, as redes sociais viraram uma mídia a parte. Hoje as empresas de comunicação e os jornalistas, PRECISAM estar conectados em pelo menos uma das dezenas de redes sociais que existem.
Acredito que todas essas transformações são benéficas para dar o resultado de "imediato" que sociedade moderna precisa. Por isso, boa parte de nós, jornalistas, ficamos sentados na frente do computador monitorando as redes sociais, principalemte o Twitter, para encontrar alguma frase que baseie uma matéria.

Quer exemplos:
Política:
Romário comenta seu primeiro discurso no plenário: 'Deu um frio na barriga'
Esporte:
No twitter, Mano Menezes comenta sobre a derrota para a França

Entreternimento:
Arnold Schwarzenegger volta para os cinemas

Britney Spears diz que quer fazer shows no Brasil

Cidades:
Prefeito diz que Ilha, Portela e Grande Rio deveriam ser julgadas

Os sites de fofocas então... nem preciso exemplificar não é?!

O jeito é acompanhar o ritmo e ficar de olho para ser o primeiro a ver a atualização pra dar tempo de produzir a nota antes da concorrência.
Aliás, o mercado de Redes Socias está em alta!!! #ficaadica